Quem sou eu

Ao chegar em uma casa é maravilhoso ser recebida, em uma linda sala, bem decorada, arrumada....Sentar em um confortável sofá....Mas, quando sou chamada para ir a cozinha, conversar ajudando na preparação de algo que iremos degustar juntos ....é que me sinto realmente bem-vinda, integrada e a vontade. Aonde durante o preparo das refeições e ao redor da mesa todos relaxam, riem, choram, trocam idéias, soltam a criatividade, tomam decisões, fazem acordos.... Sou uma Chef de Cozinha descendente de italianos, portanto só poderia achar a cozinha o melhor lugar do mundo para falar. Associo a Gastronomia Funcional com minha origem mediterrânea cheia de aromas, ervas aromáticas, cores e sabores frescos .... Estas duas faces de mim, resulta em uma outra culinária saudável, muito saborosa, perfumada, sem regras inflexíveis. Aonde faço da minha cozinha uma fonte de saúde e prazeres... Este blog é isto, um convite para você entrar e conversarmos a respeito de técnicas de gastronomia, cozinha na saúde, alimentação com prazer, bem-estar, idéias, vida, sentimentos e o que mais aparecer ... Entre e fique a vontade.

sábado, 31 de julho de 2010

Pato com Laranja



Minha filha já comentou que o Juliano adora pedir nos restaurantes pratos feitos com pato...

Muitas pessoas não tem o hábito de comer ou não sabem como preparar pato, sem que na verdade pareça um frango assado ou ensopado. Escolhí uma receita que é a mais fácil que conheço. É francesa, da famosa escola Le Cordon Blue. Mas, confesso que mesmo assim dei umas "mexidinhas" ....


Pato com Laranja (escalfado)

Ingredientes

1 pato (2 kg), limpo e inteiro, lavado com água e vinagre

sal q.b. *
pimenta do reino q.b. *
2 colheres (sopa) de manteiga

1 colher (chá) de azeite

500ml de fundo de legumes (caldo de legumes)

4 laranjas peras (orgânicas, se possível)

1 colher (sopa) de vinagre de vinho (boa qualidade)

1 colher (sopa) de licor de laranja

1/3 xícara (chá) vinho branco seco (boa qualidade)

1 colher (sobremesa) açúcar demerara (ou branco)

1 colher (sopa) amido de milho
3 colheres (sopa) de água


Modo de Preparo


Lave bem as laranjas.

Leve uma panela pequena com água para ferver. Descasque 2 laranjas a Juliana e coloque na água fervente. Deixe por 2 minutos, escorra e passe pela água fria. Escorra e reserve.

Esprema todas as laranjas (inclusive as descascadas) e coe o suco obtido. Reserve.

Depois de lavar o pato, seque-o bem. Tempere com sal e pimenta, por dentro e por fora.

Escolha uma caçarola grande (ou caldeirão ou panela grande). Aqueça a caçarola. Coloque o azeite e a manteiga e aqueça. Acrescente o pato e doure de todos os lados, lentamente. Cubra com o fundo de legumes e complete com água se necessário ( o bastante para
apenas cobrir o pato). Tampe a panela. Deixe levantar fervura. Abaixe o fogo, mantedo a fervura leve e deixe cozinhar por 45 minutos. Observe que o líquido não seque, acrescente aos pouquinhos, água ou fundo se necessário. Desligue. Pré aqueça o forno. Retire o pato e o mantenha aquecido (no forno bem baixinho). Retire a gordura da superfície com uma escumadeira do líquido do cozimento do pato. Coe o líquido e volte a caçarola. Reserve. Em outra panelinha, misture o vinagre e o açúcar. Ferva e deixe engrossar. Junte o licor, o vinho e deixe ferver por 2 minutos. Junte esta preparação ao líquido do cozimento do pato (na caçarola) e o suco de laranja coado. Volte ao fogo e deixe ferver, em fogo alto, por 10 minutos. Dissolva o amido de milho na água. Despeje lentamente e mexendo, no molho de laranja. Deixe dar uma encorpada (engrossada). Acerte o tempero. Coloque as cascas de laranjas reservadas. Desligue.

Corte o pato: as partes e o peito fatiado. Arrume em travessa, as coxas, sobrecoxas e as fatias do peito em leque. Derrame um pouco do molho de laranja e o restante sirva em uma molheira aquecida (travessinha pequena para molhos). Sirva a seguir.

Acompanhe com Batatas Soutê (cozidas e salteadas na manteiga).

Dicas:
Não caia na tentação de temperar o pato com alho, cebola, limão ou ervas. Ficará com o sabor do nosso frango. Esta receita é preparada desta forma. Ficará uma delícia e você sentirá o sabor do pato com a laranja.

Se não tiver o licor de laranja, tudo bem. Faça assim mesmo. Perderá um pouco a característica, porém muito saboroso também.



* q.b.
= quanto baste


Eu não uso Caldos de Legumes (ou qualquer outro) industrializado. Mas, se você resolver usá-lo, cuidado com o sal no restante da preparação.


sábado, 24 de julho de 2010

Bouquet Garni

Esta é uma técnica muito usada para dar aroma e sabor a molhos, cozidos, assados, ensopados e sopas. O cordão (barbante ou outro) é para ficar para fora da panela para o Bouquet Garni ser retirado (puxado) com facilidade.

Primeira Preparação: Alho poró, Tomilho e Louro (clássico)

Segunda Preparação: Alho, Tomilho e Louro

Para usar ervas secas, faça uma trouxinha com gase e amarre com o barbante.

A quantidades e tipos de ervas podem variar conforme seu paladar e tamanho da receita.

Mirepoix

Mirepoix: Mistura de vegetais usada para dar sabor ao fundo; a proporção básica leva 50% de cebola, 25% de salsão, 25% de cenoura.


Corte: Chiffonade ou Chifonado (couve, repolho)



Corte: Macedonia

É o corte da Salada de Frutas, o nosso chamado "Molho Vinagrete". Usado para muitas preparações com legumes e frutas variadas.

Corte: Batonette ou Bastonetes ou Palito

Este corte é muito usado para servir legumes variados crús, acompanhado de um molho. Como entrada.

Corte: Paysanne

Usado para legumes variados.


Corte: Parisien ou Parisiense

Pode ser usado para outros legumes. Abobrinha italiana (sem a sementes), berinjela e outros (macios). E até frutas, como melão, melancia e outras. Com a diferença que não é necessário passar pela manteiga, como nesta preparação.


Corte: Concassé (di pomodoro)

Esta técnica pode ser feita também descascando os tomates com descascador de legumes ou faca de bom corte. Apenas é necessário que os tomates estejam firmes.

Corte: Juliene ou Juliana

Este corte é muito usado para vários legumes servidos crús, grelhados ou para preparação de molhos. Frutas a serem usadas em saladas também. Estas devem estar firmes: manga, melão e outras.

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Corte: Brunoise



Corte Brunoise

Corte de legumes em cubinhos de 1 a 3 milímetros de lado. Uma "brunesa" de cenouras, por exemplo, serve para decorar, dar cor, perfumar ou enriquecer uma sopa, um molho ou um recheio. Este é um cubo cortado muito pequeno.. É usado freqüentemente como um enfeite de guarnição para o consommé. Os vegetais mais usados são cenoura, cebola, nabo, pimentão e aipo. Também muito usado para fazer Mirepoix (mistura de legumes) nome bastante usado em técnicas de gastronomia e em livros de gastronomia.


Alguns tipos de cortes, que são conhecidos em todo o mundo é como que se fosse uma linguagem universal gastronômica, esses cortes são de grande importância desde ao sabor, textuta (ponto de cozimento) e apresentação. E até uma boa compreensão de livros de gastronomia. Assim, resolví postar alguns.

Calda de Limão Siciliano

Ingredientes

6 limões sicilianos
1/2 xícara (chá) de açúcar demerara ou branco
1 pitada de sal
500ml de água
sumo de 1 limão siciliano coado


Variações

Acrescentar:

3 ramos de hortelã fresca ou
3 talos de capim-limão fresco ou
3 ramos de manjericão ou
5 folhas de sálvia fresca ou
2 cm de gengibre fresco cortado ao meio

Modo de Preparo

Corte a casca dos limões, em tirinhas. Retire toda a parte branca para evitar que amargue. Reserve.

Leve em panela a água, o açúcar, sal (gengibre se quiser) e deixe ferver por 3 minutos. Junte as cascas do limão e o sumo. Ferva por mais 5 minutos. Desligue. Coloque neste momento as ervas frescas,tampe e deixe esfriar. Se usou o gengibre, retire. Eu costumo retirar as ervas frescas também (quando uso) para deixar uma aparência mais neutra. Uso apenas na decoração do prato.

Depois de fria, guarde em vidro na geladeira.


Adoro esta receita!

Tem quem a chame de Confit de Limão Siciliano. Não gosto deste nome porque para mim se refere a preparações feitas em gordura (ou na própria gordura). Como esta receita é minha, preferí "abrasileirar" e chamar de Calda. Preciso pensar em um nome melhor, mais apetitoso .... Tem alguma sugestão?

De qualquer forma, ela dá sabor, aroma e sofisticação a pratos simples.

Pode ser usada em frutas, salada de frutas, sorvetes, tortas doces, bolos, peixe ou frango grelhados ou assados, carne de porco ou cordeiro, legumes grelhados ou aonde desejar um sabor e aroma agridoce.

Não coloque especiarias. Elas roubam o perfume do limão siciliano. E tenha o cuidado de não exagerar no açúcar, permita o sabor levemente ácido do limão aparecer.

Tarefa do professor - Rubem Alves

Pipoca ou Piruá

A Pipoca

A culinária me fascina. De vez em quando eu até me até atrevo a cozinhar. Mas o fato é que sou mais competente com as palavras que com as panelas. Por isso tenho mais escrito sobre comidas que cozinhado. Dedico-mo a algo que poderia ter o nome de ‘culinária literária’. Já escrevi sobre as mais variadas entidades do mundo da cozinha: cebolas, ora-pro-nobis, picadinho de carne com tomate feijão e arroz, bacalhoada, suflês, sopas, churrascos. Cheguei mesmo a dedicar metade de um livro poético-filosófico a uma meditação sobre o filme A festa de Babette, que é uma celebração da comida como ritual de feitiçaria. Sabedor das minhas limitações e competências, nunca escrevi como ‘chef’. Escrevi como filósofo, poeta, psicanalista e teólogo - porque a culinária estimula todas essas funções do pensamento.

As comidas, para mim, são entidades oníricas. Provocam a minha capacidade de sonhar. Nunca imaginei, entretanto, que chegaria um dia em que a pipoca iria me fazer sonhar. Pois foi precisamente isso que aconteceu. A pipoca, milho mirrado, grãos redondos e duros, me pareceu uma simples molecagem, brincadeira deliciosa, sem dimensões metafísicas ou psicanalíticas. Entretanto, dias atrás, conversando com uma paciente, ela mencionou a pipoca. E algo inesperado na minha mente aconteceu. Minhas idéias começaram a estourar como pipoca. Percebi, então, a relação metafórica entre a pipoca e o ato de pensar. Um bom pensamento nasce como uma pipoca que estoura, de forma inesperada e imprevisível. A pipoca se revelou a mim, então, como um extraordinário objeto poético. Poético porque, ao pensar nelas, as pipocas, meu pensamento se pôs a dar estouros e pulos como aqueles das pipocas dentro de uma panela.

Lembrei-me do sentido religioso da pipoca. A pipoca tem sentido religioso? Pois tem. Para os cristãos, religiosos, são o pão e o vinho, que simbolizam o corpo e o sangue de Cristo, a mistura de vida e alegria (porque vida, só vida, sem alegria, não é vida...). Pão e vinho devem ser bebidos juntos. Vida e alegria devem existir juntas. Lembrei-me, então, de lição que aprendi com a Mãe Stella, sábia poderosa do Candomblê baiano: que a pipoca é a comida sagrada do Candomblê...

A pipoca é um milho mirrado, sub-desenvolvido. Fosse eu agricultor ignorante, e se no meio dos meus milhos graúdos aparecessem aquelas espigas nanicas, eu ficaria bravo e trataria de me livrar delas. Pois o fato é que, sob o ponto de vista de tamanho, os milhos da pipoca não podem competir com os milhos normais. Não sei como isso aconteceu, mas o fato é que houve alguém que teve a idéia de debulhar as espigas e colocá-las numa panela sobre o fogo, esperando que assim os grãos amolecessem e pudessem ser comidos. Havendo fracassado a experiência com água, tentou a gordura. O que aconteceu, ninguém jamais poderia ter imaginado. Repentinamente os grãos começaram a estourar, saltavam da panela com uma enorme barulheira. Mas o extraordinário era o que acontecia com eles: os grãos duros quebra-dentes se transformavam em flores brancas e macias que até as crianças podiam comer. O estouro das pipocas se transformou, então, de uma simples operação culinária, em uma festa, brincadeira, molecagem, para os risos de todos, especialmente as crianças. É muito divertido ver o estouro das pipocas!

E o que é que isso tem a ver com o Candomblê? É que a transformação do milho duro em pipoca macia é símbolo da grande transformação porque devem passar os homens para que eles venham a ser o que devem ser. O milho da pipoca não é o que deve ser. Ele deve ser aquilo que acontece depois do estouro. O milho da pipoca somos nós: duros, quebra-dentes, impróprios para comer, pelo poder do fogo podemos, repentinamente, nos transformar em outra coisa - voltar a ser crianças!

Mas a transformação só acontece pelo poder do fogo. Milho de pipoca que não passa pelo fogo continua a ser milho de pipoca, para sempre. Assim acontece com a gente. As grandes transformações acontecem quando passamos pelo fogo. Quem não passa pelo fogo fica do mesmo jeito, a vida inteira. São pessoas de uma mesmice e dureza assombrosa. Só que elas não percebem. Acham que o seu jeito de ser é o melhor jeito de ser. Mas, de repente, vem o fogo. O fogo é quando a vida nos lança numa situação que nunca imaginamos. Dor. Pode ser fogo de fora: perder um amor, perder um filho, ficar doente, perder um emprego, ficar pobre. Pode ser fogo de dentro. Pânico, medo, ansiedade, depressão - sofrimentos cujas causas ignoramos. Há sempre o recurso aos remédios. Apagar o fogo. Sem fogo o sofrimento diminui. E com isso a possibilidade da grande transformação.

Imagino que a pobre pipoca, fechada dentro da panela, lá dentro ficando cada vez mais quente, pense que sua hora chegou: vai morrer. De dentro de sua casca dura, fechada em si mesma, ela não pode imaginar destino diferente. Não pode imaginar a transformação que está sendo preparada. A pipoca não imagina aquilo de que ela é capaz. Aí, sem aviso prévio, pelo poder do fogo, a grande transformação acontece: pum! - e ela aparece como uma outra coisa, completamente diferente, que ela mesma nunca havia sonhado. É a lagarta rastejante e feia que surge do casulo como borboleta voante.

Na simbologia cristã o milagre do milho de pipoca está representado pela morte e ressurreição de Cristo: a ressurreição é o estouro do milho de pipoca. É preciso deixar de ser de um jeito para ser de outro. ‘Morre e transforma-te!’ - dizia Goethe.

Em Minas, todo mundo sabe o que é piruá. Falando sobre os piruás com os paulistas descobri que eles ignoram o que seja. Alguns, inclusive, acharam que era gozação minha, que piruá é palavra inexistente. Cheguei a ser forçado a me valer do Aurélio para confirmar o meu conhecimento da língua. Piruá é o milho de pipoca que se recusa a estourar. Meu amigo William, extraordinário professor-pesquisador da UNICAMP, especializou-se em milhos, e desvendou cientificamente o assombro do estouro da pipoca. Com certeza ele tem uma explicação científica para os piruás. Mas, no mundo da poesia as explicações científicas não valem. Por exemplo: em Minas ‘piruá’ é o nome que se dá às mulheres que não conseguiram casar. Minha prima, passada dos quarenta, lamentava: ‘Fiquei piruá!’ Mas acho que o poder metafórico dos piruás é muito maior. Piruás são aquelas pessoas que, por mais que o fogo esquente, se recusam a mudar. Elas acham que não pode existir coisa mais maravilhosa do que o jeito delas serem. Ignoram o dito de Jesus: ‘Quem preservar a sua vida perde-la-á.’ A sua presunção e o seu medo são a dura casca do milho que não estoura. O destino delas é triste. Vão ficar duras a vida inteira. Não vão se transformar na flor branca macia. Não vão dar alegria para ninguém. Terminado o estouro alegre da pipoca, no fundo da panela ficam os piruás que não servem para nada. Seu destino é o lixo.

Quanto às pipocas que estouraram, são adultos que voltaram a ser crianças e que sabem que a vida é uma grande brincadeira.


Rubem Alves (Boa Esperança, 15 de setembro de 1933) é um psicanalista, educador, teólogo, filósofo e escritor brasileiro.

O autor é membro da Academia Campinense de Letras, professor-emérito da Unicamp e cidadão-honorário de Campinas, onde recebeu a medalha Carlos Gomes de contribuição à cultura.

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Um Sonho Possível

Além de ser um filme gostoso para assistir, passa a idéia de que cada um de nós tem seus potenciais e não importa o que os outros digam ou julguem.

Dentro do mesmo lugar (time) em uma posição vc pode ser um fracasso (ataque) e em outra (proteção) ser considerado "o melhor".

E no final, quando questionado se gosta de jogar, a resposta foi: Eu sou bom nisso.

A vida fica mais fácil quando aprendemos a usar e gostar de nossos potenciais.

Vale a pena assistir.

Açúcar



Eu opto pelo equilíbrio na alimentação e isto inclui o açúcar. Não possuo doença alguma, nem diabetes, mas procuro consumí-lo com moderação.

Achei interessante este artigo da nutricionista Elaine Serafim. É resumido e esclarecedor.

Muitas coisas em nossas vidas fazemos por hábito e não por uma opção consciente. A informação é a melhor maneira de agirmos por escolhas conscientes.

Apenas leia.




"Dúvidas sobre o açúcar


• POR QUE O AÇÚCAR É UM VILÃO?
R. O açúcar branco, refinado, usado para adoçar os alimentos, é sim um vilão. Os prejuízos que ele causa no organismo são inúmeros. Primeiro, porque ele é uma substância extremamente concentrada. Para você ter uma idéia, uma colher de açúcar equivale a 90 cm de cana (quase 1m), e todo produto concentrado desgasta e sobrecarrega o organismo.
Além disso, durante o processo de refinamento, a cana perde todos os seus nutrientes, se tornando apenas fonte de calorias. Dessa forma, para ser assimilado, o açúcar “rouba” do organismo importantes vitaminas e minerais como o cálcio, que é importante na fase de crescimento e na prevenção da osteoporose, e a vitamina B1, que é importante para a integridade do sistema nervoso. Sua deficiência causa alterações nervosas como irritabilidade, cansaço e perda de memória.
O açúcar enfraquece o sistema imunológico, reduzindo a resistência do organismo à vírus e bactérias nocivas, deixando a pessoa mais propensa a gripes, rinite, cistite, cáries e desequilíbrio da flora intestinal. O açúcar também está relacionado ao aparecimento de obesidade, Hipertensão, Diabetes e alguns tipos de câncer como intestinos, mama, ovários, útero, próstata e rins.

• O CONSUMO DE AÇÚCAR CAUSA AUTOMATICAMENTE AUMENTO DE GLICOSE NO SANGUE?
R. Ao contrário dos açucares naturais, o açúcar refinado é absorvido muito depressa, causando um brusco aumento da glicose no sangue. O pâncreas é obrigado a produzir uma quantidade extra de insulina para baixar a glicemia. Essa reação é acompanhada de depressão e cansaço e a pessoa sente necessidade de um novo estimulante, e acaba ocorrendo um ciclo vicioso. Essas alterações na taxa de açúcar no sangue deterioram os mecanismos que regulam o metabolismo e esgotam o sistema nervoso.

• TODOS OS ALIMENTOS QUE CONTÊM AÇÚCAR ELEVAM OS NÍVEIS DE GLICOSE NA MESMA PROPORÇÃO?
R. Não, o corpo não absorve todos os tipos de açúcar na mesma velocidade. Por exemplo, os alimentos que contém açúcar refinado, como os doces em geral e as bebidas adoçadas com açúcar, elevam rapidamente a glicose no sangue, aumentando também rapidamente a produção de insulina, o que causa mal estar, dores de cabeça e fome poucas horas após sua ingestão.
Por outro lado, os açúcares naturais contidos nos alimentos e a presença de fibras contribuirão para que a glicose vá para o sangue lentamente, contribuindo para maior saciedade e controle de peso. É o caso dos pães integrais, aveia, arroz integral, feijões, frutas, verduras e legumes. Todos esses alimentos contêm algum tipo de carboidrato, que é o seu açúcar natural.

• O AÇÚCAR CAUSA DIABETES?
R. O elevado consumo de açúcar aliado a uma alimentação pobre em fibras, provoca uma rápida elevação dos níveis de glicose no sangue e otimiza o depósito de gordura nas células, o que aumenta a resistência à insulina, obrigando o pâncreas a trabalhar mais e mais até que a insulina que ele produz deixa de ser suficiente. Quando a alimentação for pobre em fibras, haverá uma maior propensão ao Diabetes.

• É INDICADO REDUZIR A INGESTÃO DE ALIMENTOS RICOS EM CARBOIDRATOS?
R. O Carboidrato é um nutriente essencial para o organismo, pois ele fornece glicose que é o combustível para todas as células, indispensável para a integridade do sistema nervoso. Por isso, ele deve representar 50 a 60% da alimentação diária. É necessário, portanto, escolher os carboidratos que são absorvidos mais lentamente pelo organismo, presentes nos cereais integrais, sementes, grãos, feijões, frutas e hortaliças.

• QUAIS SÃO OS MELHORES SUBSTITUTOS DO AÇÚCAR REFINADO, FORA OS ADOÇANTES?
R. O ideal seria reeducarmos o nosso paladar para apreciar o sabor natural dos alimentos, sem adição de açúcar. Algumas alternativas mais saudáveis são o mel, o melado e o açúcar mascavo ou demerara. Eles também têm uma rápida absorção, não podendo ser usados por pessoas que tem diabetes, mas sua vantagem está no fato de conterem vitaminas e minerais importantes que o açúcar refinado perdeu e por isso “rouba” cálcio e vitamina B1 do organismo.

• AS BEBIDAS ALCOÓLICAS TAMBÉM ELEVAM A GLICOSE NO SANGUE?
R. Num primeiro momento sim, porque algumas bebidas alcoólicas são ricas em carboidratos, mas, na verdade o álcool baixa o nível de glicose. Normalmente, quando a taxa de glicose baixa muito, o fígado transforma o glicogênio armazenado em glicose, mas o álcool interfere nesse processo, dificultando a recuperação de uma crise de hipoglicemia. Além disso, o álcool eleva o ácido úrico e os triglicerídeos, destrói neurônios e intoxica o fígado.

• O AÇÚCAR VICIA?
R. O açúcar aumenta os níveis de hormônios como a dopamina e a serotonina, o que causa uma momentânea sensação de bem estar, mas com a liberação da insulina, esse estado de excitação passa, e a pessoa sente vontade de comer mais açúcar, portanto, o açúcar pode viciar.

POR QUE GOSTAMOS TANTO DE DOCES?
R. A introdução do açúcar ocorre bem precocemente, já na mamadeira dos bebês, o que é totalmente inapropriado, uma vez que a criança, desconhecendo o açúcar, não semtirá a sua falta. O uso do açúcar pelos bebês predispõe à diversas infecções e reações alérgicas como problemas respiratórios, infecções intestinais, cárie de mamadeira, além de deficiências nutricionais e atraso no desenvolvimento. Portanto, desde pequenos somos induzidos à dependência ao açúcar.

• UMA INTERRUPÇÃO NO CONSUMO DE AÇÚCAR PODE LEVAR À DEPRESSÃO?

R. O açúcar é uma substância estimulante do sistema nervoso e seu consumo em excesso provoca um aumento brusco da glicemia seguido de sua queda. Essas oscilações de glicemia são acompanhadas de depressão e fadiga, gerando o desejo de consumir mais açúcar e isso desgasta o sistema nervoso, o que pode ser agravado por uma deficiência da Vitamina B1, que é protetora do Sistema Nervoso. Portanto, o vicio do açúcar pode estar relacionado com a causa da depressão e a interrupção do seu consumo pode ajudar no tratamento, lembrando que nos primeiros dias de abstinência é normal sentir desconforto devido ao processo de desintoxicação do corpo.

• ADOÇANTE ARTIFICIAL CAUSA CÂNCER?
R. Estudos verificaram alta incidência de leucemia em ratos submetidos a altas doses do adoçante artificial ciclamato e câncer de bexiga relacionado ao adoçante artificial sacarina. Estudos também relacionam o aparecimento de mal de Alzheimer e esclerose múltipla ao elevado consumo do adoçante artificial aspartame. Alguns adoçantes apresentam sódio em sua composição, o que pode aumentar a retenção de líquidos e a pressão arterial. Mulheres grávidas são aconselhadas a evitar o uso de adoçantes artificiais devido aos riscos. Os únicos adoçantes seguros são os adoçantes naturais como a frutose, o mel e a estévia. No caso de diabéticos, recomendo apenas o uso da estévia, pois não altera a glicemia."

Nutricionista: Elaine Serafim

Clínica Adventista Vida Natural



Sorvete de Banana (mais um)

Ingrediente
Bananas BEM Maduras em fatias finas (nanica, prata)

Modo de preparo: Grelhe as fatias de banana em antiaderente. Espalhe as fatias numa bandeja e leve ao freezer por cerca de 2 horas ou até que fiquem totalmente congeladas. Ligue o processador (robô)ou liquidificador e vá adicionando uma fatia congelada por vez. Quanto virar uma massa com cara de sorvete, está pronto.

Dicas: O aquecimento da banana torna-a mais docinha e não precisa de adoçante, mas, se quiser, junte um pouco de mel enquanto bate. Pode também colocar um pouco de canela em pó, hortelã fresca, raspinha de limão ou apenas servir com calda de limão siciliano ou frutas vermelhas.

Acho muito bom ter opções de "doces" fáceis e sem adição de açúcar" para consumir no dia a dia. Muitas vezes sentimos vontade e acabamos por comer, sem pensar, coisas altamente calóricas ou gordurosas ou cheia de corantes/conservantes/gorduras trans, apenas pela facilidade.
Podemos deixar estas "tentações" para ocasiões especiais (festas/fds/outras situações)...

Vale lembrar que a maioria das frutas e legumes ficam mais doces ao serem aquecidas. Portanto podemos aproveitar isto seja grelhando, assando, cozinhando, etc. Podemos misturar tipos. As mais maduras estão repletas de seus próprios "açúcares". Se adicionarmos a estas preparações especiarias (principalmente a canela em pau é ótima para "adoçar") e ervas frescas (hortelã, manjericão, capim santo) ganhamos muito em sabor e saúde.

Vença os preconceitos e a preguiça .... Experimente.





quarta-feira, 21 de julho de 2010

Capuccino



Ingredientes
400 g de leite em pó instantâneo
2 colheres (café) de bicarbonato de sódio
4 colheres (sopa) de chocolate em pó
100 g café solúvel
10 colheres (sopa) de açúcar demerara ou refinado
1 pacote de preparo para chantilly em pó

Modo de preparo
Bater no liquidificador, seguindo a ordem dos ingredientes e guardar em recipiente bem fechado. Se quiser um café capuccino mais forte, use café solúvel (Nescafé, Tradição e outros) tradicional, se quiser mais fraco utilize o matinal.


O preparo para chantilly vende em supermercados, parece caixinhas ou pacotinhos de gelatina (Yoki, Chantineve e outros). Serve para dar cremosidade ao capuccino. Quanto ao uso de açúcar é opcional. Eu prefiro deixar sem açúcar e quem sentir a falta adoça na hora e a gosto. O uso do açúcar mascavo para variar o sabor também fica bom. Eu gosto sempre de utilizar a canela para "adoçar", portanto experimente acrescentar um pouco e se gostar já deixe na mistura pronta: 2 colheres (sopa) de canela em pó.

No inverno é muito bom ter algo quentinho para aquecer para tomar, acompanhada ou não ....



terça-feira, 20 de julho de 2010

Trovadores Urbanos

http://trovadores.uol.com.br/cds/player?cd=4

Este CD é uma delícia!!!

Experimente ouvir .....

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Aromaterapia




"É uma terapia complementar de natureza holística, que de forma integrada usa uma verdadeira sinergia de óleos essenciais para obter o equilíbrio físico, mental, emocional e espiritual. Essa terapia considera vários aspectos individuais da vida de cada ser e ajuda sutilmente na manutenção da saúde, pois ela alivia o estresse, promove uma maravilhosa sensação de bem-estar, prazer e tranqüilidade. A aromaterapia combina bem com diversos tipos de tratamentos, sejam convencionais ou alternativos. Para problemas comuns como resfriados, dores musculares, dores de cabeça, má digestão, indisposição, distúrbios de sono, falta de ânimo, ansiedade, etc. O mais importante é o profissional da área da saúde ter um conhecimento vasto sobre as essências que vai usar e orientar bem, em relação aos cuidados necessários por parte do paciente. Os óleos essenciais altamente voláteis estimulam a mente, os de baixa volatidade são mais calmantes e os de média volatilidade (que tem uma taxa de evaporação intermediária) concentram os seus efeitos balanceadores no sistema físico. Deve-se tomar cuidado com o tempo de exposição, concentração e conservação apropriada desses óleos.

A prática de ervas aromáticas para fins religiosos, curativos ou estéticos foi usada por civilizações como: Egito, China, Índia, Grécia e Roma. Antigos textos descrevem a arte de preparar ungüentos, óleos medicinais e preparações para a saúde da alma e do corpo; "perfumes mágicos" para realçar o carisma e restaurar a felicidade; isso em várias formas de cerimônias, rituais, etc. O processo de destilação dos óleos essenciais, de modo mais refinado e eficiente, ocorreu em 1000 d.c. pelo médico e filosófo árabe Avicenna. No século 16, os alquimistas já acreditavam ser o óleo essencial a parte da planta responsável em produzir a cura.

O termo "Aromaterapia" foi inicialmente usado por um químico francês chamado René-Maurice Gattefossé, cuja família possuía uma indústria de perfumes. Gattefossé estava trabalhando em seu laboratório, quando queimou sua mão acidentalmente e mergulhou-a numa vasilha contendo óleo essencial de lavanda. A queimadura foi curada rapidamente, não infeccionou, nem deu bolhas e cicatrizou. Então Gattefossé ficou fascinado e procurou estudar mais as propriedades terapêuticas dos óleos essenciais, e em 1928 escreveu um livro chamado “Aromathérapie: Les Huiles essentielles hormones végétables”. Outros aromaterapeutas que se destacaram no século XX: Dr. Jean Valnet (que usou óleos essenciais para tratar os ferimentos de soldados na Segunda Guerra Mundial e ganhou reconhecimento oficial com essa terapia), Marguerite Maury (bioquímica que desenvolveu o método de diluição e aplicação dos óleos através da massagem para beleza e rejuvenescimento da pele) e Robert B. Tisserand (inglês que escreveu vários livros e artigos sobre o assunto).

Os óleos essenciais são substâncias puras extraídas de plantas aromáticas por destilação, expressão à frio da casca de frutas cítricas (laranja, lima, grapefruit, bergamota) ou enfloragem (jasmim e violeta). Possuem as seguintes características: concentração 100% natural (sem adição de solventes ou substâncias químicas), de consistência oleosa, líquida, altamente voláteis (evaporam à temperatura ambiente), curativas e por isso são considerados “alma das plantas”. Podem ser extraídos de raízes (vetiver, gengibre - rizoma), tronco (cedro, sândalo, pau rosa), galhos, resinas (olíbano e mirra), folhas (eucalipto, hortelã, patchouli, alecrim, tea-tree, lemongrass, citronela, cipreste), flores (lavanda, gerânio, rosa, néroli, jasmim), frutos (laranja, limão, mandarina, bergamota, tangerina, lima), etc. As propriedades terapêuticas variam de acordo com estas partes das plantas, podem ser relaxantes, estimulantes ou equilibrantes. Pode-se fazer isto através tratamentos estéticos (recebendo massagens, compressas, cremes e óleos corporais), tomando banhos ou fazendo uso de aromatizadores com óleos essenciais que fortalecem o sistema imunológico e assim melhora a saúde em geral.

Os óleos essenciais estimulam o SNC (Sistema Nervoso Central) através da pele e do sistema respiratório. Na pele é necessário tomar alguns cuidados especiais, para evitar reações alérgicas, irritações, sensibilizações e queimaduras. Para um uso mais seguro, recomenda-se diluir os óleos essenciais em veículos carreadores (baixas concentrações), como cremes neutros e óleos vegetais. Eles entram em contato com a circulação sangüínea e atuam nos órgãos internos. Os óleos essenciais também podem ser inalados por meio de aromatizadores elétricos, à vela ou pout-pourris. Uma parte do aroma inalado irá para os pulmões pela traquéia, brônquios, bronquíolos e alvéolos, passando para a corrente sangüínea nas trocas gasosas. E a outra parte irá diretamente para o cérebro, atingindo o SNC e mais especificamente o Sistema Límbico (centro das emoções, comportamentos).

É interessante que a área do cérebro associada ao cheiro é a mesma que armazena a memória e, por isso, os aromas têm sido usados para estimular a mente de pessoas que sofrem de amnésia. São notáveis pela habilidade de aliviar o stress. Podem interferir na produção de hormônios. Alguns óleos essenciais possuem um poder regenerativo que estimulam a renovação e o crescimento de células saudáveis, regulam e restabelecem a homeostase. Os aromas proporcionam sensações de bem-estar para o corpo, a mente e as emoções, auxilia bastante nos processos de cura, em nível intelectual da memória e do inconsciente (acessam arquivos energéticos armazenados nos corpos sutis e resgatam a própria essência divina), e de intensa elevação espiritual."


Referências: Shirley Price, Aromaterapia para doenças comuns, Ed. Manole, SP 1999. Traduzido do original em inglês Aromatherapy for common ailments. Gaia Books Limited, Singapore. Giuliana Lomazzi, Aromarerapia. Bem-estar, Ed. Eko, SC 2006. Sites: www.naha.org / www.westcoastaromatherapy.com / www.laszlo.ind.br / www.bioessencia.com.br / www.bysamia.com.br / www.aromalife.com.br / www.aromaflora.com.br



Resolví postar algo sobre aromaterapia, antes de começar a bater papo sobre isto ....







sábado, 17 de julho de 2010


SOPA CREME DE MAÇÃ COM GENGIBRE
(4 porções)

Ingredientes

1 alho poró, parte branca, picado
1 colher (chá) azeite
1 colher (sopa) manteiga
2 cenouras picadas
4 mandioquinhas picadas
1 maçã verde, descascada e picada
2 cm de gengibre fresco picado
1 litro de fundo de legumes ou água
sal q.b. (quanto baste)

Modo de Preparo

Para acelerar o processo utilize panela de pressão. Aqueça a panela acrescente o azeite e a manteiga. Refogue o alho poró. Junte todos os outros ingredientes e feche a panela. Deixe na pressão por 10 minutos. Desligue, resfrie a panela e leve todo o conteúdo para o liquidificador. Passe por peneira e volte ao fogo para dar uma fervura e acerte o sal. Sirva quente.

Observação: O fundo de legumes ou a água deve ser apenas em quantidade o suficiente para cobrir os legumes. Se sua opção alimentar for sem leite, retire a manteiga e use 2 colheres (sopa) de azeite.

Guarnição:

4 lascas de parmesão de boa qualidade levemente grelhadas (antiaderente) ou 4 fatias pequenas de tofú passadas no shoyo levemente grelhadas (antiaderente). Conforme sua escolha alimentar (com ou sem leite), faça a opção pelo "queijo". Depois de grelhados, colocar cada lasca (ou fatia) na borda de cada prato e servir quente.

Se desejar dar um colorido, salpicar salsinha bem picadinha.

sexta-feira, 9 de julho de 2010

COQ AU VIN




Adoro ler !

Sempre estou com algum livro em minha cabeceira. Mas para me distrair, apenas relaxar, gosto de ler (e ver) livros de receitas.
Gosto da brincadeira de observar detalhes ... e não resisto a fazer pequenas modificações.

Aliás, no fim de semana passado, ao apresentar para minha filha, um “pernil” que havia feito para uma festa Junina, disse: Receita da Nair !!!! E ela, muito desconfiada, completou: Duvido! Que você não modificou alguma coisa .... Tive que confessar que sim .

Dias atrás, eu folheava um dos meus livros prediletos, “Chefs”, e a foto do “coq au vin” saltou aos meus olhos. Claro que eu já havia visto aquela foto algumas vezes, mas naquele dia ela me olhou convidativa ... Apesar de alguns dos ingredientes não combinar com minha postura culinária .... não resistí.

A receita original, pede frango caipira, mas na falta ....Frango descongelado .... segui a receita passo-a-passo! Alterações que fiz?!?

Troquei o açúcar refinado por demerara, acrescentei um fio de azeite, não usei o toucinho (bacon) e troquei a salsa por tomilho um pouco antes de desligar o fogo. Realmente outra coisa que não consigo é cozinhar sem ervas frescas e adoro o perfume do tomilho....

Muitos de vocês, já devem ter ouvido falar desta receita e talvez pensem ser uma receita “complicadíssima” ... Não é.

Estamos no inverno e ela combina muito bem com temperaturas mais baixas ... Surpreeenda alguém (e a si) com esta receita francesa !!!!!

Segue a receita e o texto descritivo que o livro traz (Chefs, editora Melhoramentos, pag.240, receita assinada por Shaun Hill):

Conhecido na França como Coq au Vin, este é um importante prato da culinária Provençal Francesa. É um prato muito celebrado, mas em geral é muito malfeito em certos restaurantes. Algumas vezes o frango é marinado de um dia para o outro para realçar o sabor do vinho tinto. Contudo, isso produz um efeito indesejável: o sabor do vinho predomina sobre qualquer outro com que a pobre ave pudesse vir a contribuir, além de ressecar a carne.
Este prato não pode ser reaquecido sem alteração de sabor, ao contrário do que acontece com os de carne bovina e de cordeiro.

Ingredientes


55 g de manteiga sem sal (1 colher de sopa, aqui coloquei 1 colher de chá de azeite para a manteiga não queimar)
1 frango, com cerca de 1,5 kg, cortado em 8 pedaços
8 cebolas pequenas (pirulito, daquelas para fazer conserva)
100 g de toucinho, cortado em tiras de 2,5 cm (ai, ai ....)
16 cogumelos button (champignon fresco, mas na falta use o em conserva)
2 dentes de alho amassados
1 colher de sopa de farinha de trigo
1 colher de sopa de tomate peneirado
(molho de tomate peneirado)
250 ml de vinho tinto (seco)
1 colher de sopa de açúcar
(usei demerara)
500 ml de caldo de galinha ou água (usei fundo de frango feito em casa)

Para servir

1 colher de sopa de salsa picada
croûtons quentes

Modo de fazer

Aqueça metade da manteiga numa panela. Polvilhe o frango com sal e pimenta, coloque os pedaços na panela e frite, virando para que fiquem dourados por igual.
Adicione as cebolas e o toucinho e cozinhe por cerca de 10 minutos até estarem dourados; junte os cogumelos e o alho e cozinhe por mais alguns minutos, mesclando os sucos.


Misture a farinha à manteiga dourada e aos sucos e cozinhe por 1 ou 2 minutos. Adicione o tomate, o vinho tinto e o açúcar, mexendo até ferver. Adicione caldo de galinha ou água e deixe ferver novamente.

Diminua o fogo abaixo do ponto de fervura, então tampe a panela e deixe cozinhar por
50 (aos 40 minutos adicionei 4 ramas de tomilho) minutos ou até que o frango esteja macio.

Verifique o cozimento e escorra todos os pedaços de frango e legumes, arranjando-os num prato de servir.

Transfira algumas conchas do líquido do cozimento e os resíduos do cozido ao liquidificador, adicionando a manteiga restante e bata. Misture bem o molho e prove o tempero.

Espalhe o molho sobre os pedaços de frango e os legumes. Salpique com a salsa
e sirva com os croûtons.


Variação: Pode acompanhar com Purê de Batata ou, Batata Souté ou Arroz (hábito brasileiro) ou com fatias de pão (italiano) de boa qualidade (hábito mediterrâneo de acompanhar refeições com pão). Algumas "folhas verdes frescas" como uma salada de entrada, para mim, são indispensáveis.

quarta-feira, 7 de julho de 2010

CACAU

"Como todos sabemos, é a partir do cacau que o chocolate é feito, embora o consumo de chocolate também proporcione prazer, graças ao estímulo à produção de serotonina, no chocolate são incluídos diversos ingredientes que o fazem ficar mais gorduroso, açucarado e calórico, isso pode causar obesidade e o consumo em demasia até problemas de coração graças a elevada quantidade de gorduras consumidas.

O cacau em pó possui ainda diversas vitaminas e minerais com cálcio, fósforo, ferro, potássio, sódio, vitamina C e vitamina E, além de uma alta concentração de fibra dietética, cerca de 30%. Também contém proteínas e seu valor calórico é definitivamente muito mais baixo em relação ao chocolate.

Ao consumir chocolate é preferível a escolha do amargo. Isso se deve ao fato de que nesse tipo de chocolate existe maior concentração de pedaços de cacau, isso o faz ser menos gorduroso e mais saudável.

Estudos mostram que o cacau em pó tem duas vezes mais antioxidantes que o vinho tinto e três vezes mais do que o chá verde, que já é um super antioxidante. Ele é composto de muitos flavonóides, fitoquímicos e fenólicos, substâncias nutracêuticas que ajudam a prevenir câncer e doenças do coração, entre outras doenças.

O cacau em pó pode substituir ingredientes como chocolate em pó, em bolos, mousses, brigadeiros, deixando tudo com um gosto mais forte porém não menos agradável, além de, óbvio, ser muito mais saudável. No inverno substitua seu tradicional chocolate quente por leite e cacau em pó. O gosto diferenciado valerá a pena para sua saúde!"

Fonte: AS - Alimentação Saudável

MEU LADO "B"



















Todos nós temos várias facetas ... Nosso lado mulher ou homem; mãe ou pai; irmã ou irmão; amiga ou amigo; chefe ou funcionária (o); etc. Temos nosso lado prático, objetivo e temos nosso lado emoção, sentimentos. Temos nosso lado material e nosso lado espiritual (completamente independente de qualquer religião) ....

E hoje resolvi compartilhar meu lado espiritual, independente de religião.

Todos os dias, ao amanhecer, vou caminhar e repito estas frases, que chamo de meditação. Mas na verdade, nada mais é do que antes de começar o dia, tomar a consciência sobre mim, minhas capacidades, minha vida ... Tomar consciência que sou mais do que as aparências, sou um sêr interior infinito.

As frases podem mudar de acordo com o momento, mas o importante é que sejam muitas frases para dar tempo de controlar meus pensamentos e sentir o que estou falando.

Fica aí a sugestão: antes de começar o seu dia, sente-se na beira da sua cama e por alguns minutos concentre-se no seu interior, na sua respiração e fale para si mesmo quem você é, como visualiza sua vida e lembre-se de todas as suas capacidades.

BOM DIA


MEDITAÇÃO MATINAL

Eu, em espírito, declaro a paz.
Eu, em espírito, sou a paz.
Eu, em espírito, declaro a perfeição.
Eu, em espírito, sou a perfeição.
Eu, em espírito, sou a segurança.
Eu, em espírito, sou a abundância.
Eu, em espírito, sou a riqueza.
Eu, em espírito, sou a liberdade.
Eu, em espírito, sou a saúde.
Eu, em espírito, sou a felicidade.
Eu, em espírito, sou a luz.
Eu, em espírito, sou a confiança.
Eu, em espírito, sou a inteligência.
Eu, em espírito, sou a beleza.
Eu, em espírito, sou a harmonia.
Eu, em espírito, sou o equilíbrio.
Eu, em espírito, sou a solução.
Eu, em espírito, sou a boa sorte.
Eu, em espírito, sou o progresso.
Eu, em espírito, me declaro em estado de mudança.
Eu, em espírito, reescrevo para mim uma nova vida.





terça-feira, 6 de julho de 2010



SORVETE DE BANANA COM CACAU

Ingredientes

2 bananas bem maduras

1 colher de cacau em pó sem açúcar

Papel manteiga


Modo de preparo

Congelar as bananas maduras com casca, lavadas, embrulhadas em papel manteiga, deixando 1 noite ou 4 hs. Congelar bem.

Retirar a casca e picar as bananas congeladas.

Bater no liquidificador, no pulsar, com o cacau.

Consumir imediatamente.


Dica

Não dá para colocar muitas bananas no liquidificador. Coloque até 4 por vez e, sobrando, jogue fora, porque oxida.

* Receita elaborada pela Nutricionista Maria Cristina Menks Ribeiro.


Uma sobremesa super fácil e gostosa !!!!

Para quem não fica sem chocolate, uma idéia sem adição de gordura ou açúcar ou leite ou glúten.

É só deixar as bananas no freezer ... e quando a vontade aparecer ... bater no liquidificador.

Experimente !

Mignon Crocante

Mignon com Crosta de Amêndoa



Ingredientes

4 escalopes de mignon
1 clara de ovo, ligeiramente batida com sal
1 xícara (chá) amêndoas picadinhas (ou farinha de amêndoa)
azeite

Modo de Preparo

Passar um lado de cada escalope na clara batida. Este mesmo lado na amêndoa. Apertar bem. Aquecer uma chapa ou frigideira (antiaderente) e untar com um fio de azeite. Fogo médio. Colocar o escalope com o lado da amêndoa na frigideira. Evitar ficar mexendo. Depois de uns 2 minutos, salgar levemente a parte que está voltada para cima (sem amêndoa). Aumentar o fogo e virar o escalope. Deixar mais 1 minuto. Retirar, deixando a parte empanada para cima. Se tiver habilidade e a frigideira ou chapa for grande, pode grelhar todos de uma vez. O importante neste caso, é trabalhar com o fogo alto o tempo todo. Não é para cozinhar o escalope e sim grelhar (criar uma crostinha por fora e manter umidade por dentro).

As amêndoas podem ser substituídas por Castanha do Pará ou Castanha de Cajú (ou ainda misturadas). Picadinhas miudinhas ou processadas rapidamente, fica mais crocante do que com a farinha.

Observe que na minha receita, apenas um lado do escalope é empanado com amêndoas. Fica mais leve e saboroso. Não é fritura por imersão, não contém leite ou glúten.


Sugestões:
Pode ser servido simples ou com um molho (Molho de Jaboticaba, ou outro) e acompanhar de Arroz com Açafrão, Legumes ou Batatas com Ervas e Brócolis no Alho ou apenas uma bela Salada de Folhas Verdes e frescas.


Outro dia, faremos outra versão ....

Bom Apetite !!!!

Toque de Brasil

QUIBE DE CASTANHAS





Ingredientes

500 g de carne moída
250 g de triguilho ou trigo para quibe
1/2 xícara (chá) de hortelã picadinha
1 cebola picadinha
8 castanhas do pará (ou castanhas de caju) picadinhas
4 colheres (sopa) de azeite
200 g requeijão em barra (ou queijo minas ou parmesão) ralado
sal, pimenta síria e canela a gosto

Modo de Preparo

Coloque o triguilho numa vasilha e cubra com água quente. Deixe de molho por 7 minutos, escorra e aperte bem. Misture o triguilho com a carne, a hortelã, a cebola, as castanhas, o azeite, o sal, a canela e a pimenta. Prove e acerte o tempero. Transfira 2/3 para um tabuleiro untado com azeite e nivele. Salpique o queijo ralado e cubra com o restante da mistura. Nivele e leve ao forno médio por aproximadamente 30 minutos. Sirva quente ou frio acompanhado de salada ou cortadinho como aperitivo.

Dicas: a receita original leva queijo minas em fatias. Optei pelo requeijão em barra por ser um queijo mais cremoso proporcionando maior umidade e homogeneidade ao quibe. A opção de utilizá-lo ralado e não em fatias foi para evitar que uma camada se separasse da outra.
O requeijão em barra é encontrado em bons supermercados (frios) ou casas de artigos do Norte. Eu costumo comprar no Mercado Municipal de SP (Mercadão). A qualidade é ótima, além de ser um passeio delicioso.


O quibe (kibe)é muito prático de fazer porque pode ser preparado com antecedência, servido quente ou frio, em refeição ou aperitivos.

Nesta receita há um toque de Brasil com a castanha do pará e do requeijão de barra (também chamado de requeijão de corte).

Quanto a carne moída, costumo usar patinho ou fraldinha. Sempre peço para passar duas vezes na máquina de moer quando quero fazer quibe. Não costumo guardar em geladeira por mais de um dia. Compro quando realmente tenho tempo para preparar (seja quibe ou qualquer outra receita de carne moída). A carne moída guardada em geladeira costuma soltar um "cheiro" de ranço ao ser cozida, muda o sabor e textura.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Fazendo trocas .....


Remexendo em minhas coisas antigas, achei esta tabela de calorias .

Hoje em dia a maioria dos profissionais (ligados a saúde) que orientam perda de peso preferem falar de educação alimentar e não mais em contagens de calorias. Acredito que seja mais eficaz, mais duradouro.

Resolví publicar esta tabela apenas para mostrar como vale a pena acrescentar ou trocar alguns alimentos (diários)no prato.

Além de serem principalmente nutritivos, ajudam a dar saciedade de maneira "mais magra" (com menos calorias).

Experimente: pela educação alimentar, pela saúde e pelo controle de calorias diárias consumidas.

Filé Mignon para Iniciantes

Existem vários cortes de filé mignon disponíveis em açougues e bandejas de supermercados.

Quando o filé mignon é comprado em peça (inteiro), o preço é mais baixo.

Dependendo de sua disponibilidade ($,tempo), faça a sua escolha.

Apenas um lembrete, antes de fazer os cortes é necessário "limpar" a peça de carne.

Observem as fotos.





Cortes de Filé Mingnon para grelhar





Resolvi colocar este vídeo porque mostra bem como cortar FILÉ MIGNON para grelhar, mas com duas ressalvas, no meu modo de preparar:

1) Fica melhor colocando o sal após grelhar. Quando o sal é colocado com a carne ainda crua, ela começa a "sorar", soltar líquido. Perdendo nutrientes, sabor e modificando a textura. Grelhe um lado, vire, salgue (o lado grelhado), retire e salgue o outro lado. A pimenta não interfere, ou seja, pode ser colocada com a carne ainda crua.

2) Observe que a carne está bem sequinha, sem líquidos soltando. Para grelhar uma carne e ter uma boa qualidade é necessário secá-la. Seja a peça, ou pedaço a pedaço (escalope, medalhão, chateaubriand, paillard e em outros cortes: cubos, emincè/ estrogonofe, etc). Para selar, criar uma "casquinha" que mantém os líquidos, sabores e nutrientes dentro da carne e não espumando e espalhando pela grelha ou frigideira ou panela.
Como secar? Com um pano de cozinha (bem limpo) ou papel absorvente.

Cortes citados:

* CHATEAUBRIAND (grelhar, com molhos, churrasco)
* MEDALHÃO (grelhar,churrasco, com molhos)
* ESCALOPES (grelhar, conhecidos normalmente como filés)
* PAILLARD (grelhar, parmegiana, milanesa)




CURIOSIDADES

"Filé-mignon – macio, suculento e de pouca gordura. Alguns gourmets o consideram “sem graça”. Seja como for, é sempre um prato caro nos cardápios. Da França nos vieram cortes com nomes que variam, dependendo da espessura da carne. Bem grossos são Chateaubriand, homenagem ao gordo escritor e diplomata francês (séc. 18) François René, Visconde de Chauteaubriand – famoso, entre outras coisas, por ter dito que “um escritor original não é aquele que não imita ninguém, mas aquele que ninguém consegue imitar”. Esse corte é criação de seu chef, Montmireil, que lhe preparava o prato enquanto seu patrão escrevia Memórias de Além-Túmulo. Um pouco mais finos são Tournedos. E mais finos ainda, Medaillon. Alguns pratos, usando esse filé-mignon, acabaram famosos. Entre eles um que Taillevent ensinava no Le Viandier (séc. 14) – o filé au poivre (à pimenta) – tostado na manteiga, flambado com conhaque e acrescido de grãos de pimenta verde e molho rôti. E de um filé en croûte (crosta), envolto em massa folhada. Os ingleses copiaram essa última receita, trocando só de nome – Filé à Wellington, homenagem ao primeiro Duque de Wellington, Arthur Wellesley, aquele que derrotou Napoleão em Waterloo (1815). Na culinária, como na televisão, (quase) nada se cria, (quase) tudo se copia ou se transforma."
Fonte: Continente Multicultural

Dica deliciosa ....

Este filme é muito gostoso para quem gosta de gastronomia, culinária ou simplesmente comer ..... É leve e, tem dicas de técnicas mescladas na história.

Se não assistiu e gosta do assunto, veja.



Utilize sempres alimentos da época

Não esqueça que cada alimento tem sua safra. Os alimentos podem ser encontrados em quase todos os meses do ano mas, na época certa, eles são mais baratos e de melhor qualidade.



Janeiro - Abóbora, abobrinha, agrião, alho nacional, alho estrangeiro, almeirão, batata, batata-doce, berinjela, beterraba, brócolis, cebola, cenoura, chicória, couve, escarola, espinafre, inhame, jiló, mandioca, milho verde, mostarda, pepino, pimenta, pimentão, quiabo, rabanete, repolho, rúcula, salsa, salsão, tomate, vagem, abacaxi, banana, banana-maçã, coco, figo, goiaba, jaca, laranja-pêra, limão, maçã, manga, maracujá azedo, melancia, melão amarelo, pêra, pêssego, uva itália, uva niágara.

Fevereiro - Abóbora, abobrinha, agrião, alho estrangeiro, batata, batata-doce, berinjela, beterraba, cebola, coco, couve, inhame, jiló, mandioca, milho verde, mostarda, pepino, pimenta, pimentão, quiabo, repolho, salsa, salsão, tomate, abacate, abacaxi, banana, banana-maçã, caqui, coco, figo, goiaba, jaca, limão, maçã, maracujá azedo, melancia, melão amarelo, uva itália, uva isabel, uva niágara.

Março - Abóbora, abobrinha, batata, batata-doce, berinjela, cará, cebola, chuchu, inhame, jiló, mandioca, milho verde, pepino, pimenta, pimentão, quiabo, repolho, vagem, abacate, banana, caqui, figo, goiaba, jaca, limão, maçã, maracujá azedo, melancia, melão amarelo, uva itália, uva isabel.

Abril - Abóbora, abobrinha, alho estrangeiro, batata, batata-doce, berinjela, cará, chuchu, inhame, jiló, mandioca, milho verde, pepino, pimenta, pimentão, quiabo, repolho, vagem, abacate, banana, banana-maçã, caqui, coco, figo, goiaba, jaca, laranja-pêra, limão, maçã, maracujá azedo, melancia, tangerina cravo.

Maio - Abóbora, abobrinha, alface, alho estrangeiro, batata, batata-doce, berinjela, cará, chuchu, inhame, jiló, mandioca, pepino, pimenta, pimentão, quiabo, rúcula, salsa, tomate, vagem, abacate, banana, banana-maçã, banana-prata, cococ, goiaba, jaca, laranja-pêra, limão, mamão, maracujá azedo, melancia, tangerina cravo, tangerina poncã.

Junho - Abóbora, acelga, alface, alho estrangeiro, batata, batata-doce, brócolis, cará, chuchu, inhame, mandioca, rúcula, salsa, tomate, abacate, banana, banana-mação, banana-prata, coco, jaca, laranja-pêra, limão, mamão, maracujá azedo, melancia, tangerina cravo, tangerina murcote, tangerina poncã.

Julho - Abóbora, acelga, alface, batata-doce, brócolis, cará, cenoura, espinafre, inhame, mandioca, mostarda, rabanete, rúcula, salsa, tomate, abacate, banana-prata, coco, laranja-pêra, mamão, maracujá azedo, melão amarelo, morango, tangerina murcote.

Agosto - Abóbora, acelga, agrião, alface, almeirão, beterraba, brócolis, cará, cenoura, chicória, couve, couve-flor, escarola, espinafre, inhame, mostarda, rabanete, rúcula, salsa, abacaxi, banana-prata, laranja-pêra, melão amarelo, morango, tangerina murcote.

Setembro - Acelga, agrião, alface, alho nacional, almeirão, beterraba, brócolis, cebola, cenoura, chicória, couve, couve-flor, escarola, espinafre, inhame, mostarda, rabanete, repolho, salsa, salsão, abacaxi, banana-prata, laranja-pêra, morango, manga, melancia, tangerina murcote.

Outubro - Abobrinha, acelga, alface, alho nacional, almeirão, beterraba, brócolis, cebola, cenoura, chicória, chuchu, couve, couve-flor, espinafre, inhame, mostarda, rabanete, repolho, salsa, salsão, vagem, banana-prata, morango.

Novembro - Abobrinha, alface, almeirão, beterraba, cebola, cenoura, chicória, couve, espinafre, inhame, milho verde, mostarda, pepino, rabanete, repolho, salsa, salsão, vagem, mamão, manga, melancia, morango, pêssego.

Dezembro - Abobrinha, alho nacional, almeirão, beterraba, cebola, cenoura, couve, inhame, pepino, repolho, salsa, salsão, tomate, vagem, abacaxi, manga, melancia, melão amarelo, pêssego.

Fonte: Livro Alimente-se Bem - SESI

domingo, 4 de julho de 2010

Alimentos Orgânicos





O que são alimentos orgânicos?

Como, algumas vezes, cito isto em minhas receitas ou opiniões ou dicas, resolvi colocar algumas informações ....

Saber o que são e como são determinados, já um primeiro passo para tomar a decisão de consumí-los ou não.


1. São Alimentos Nutritivos e Saborosos
Com solos balanceados e fertilizados com adubos naturais, se obtém alimentos mais nutritivos. A comida fica mais saborosa, conservam-se suas propriedades naturais como vitaminas, sais minerais, carboidratos e proteínas. Um alimento orgânico não contém substâncias tóxicas e nocivas à saúde. Em solos equilibrados as plantas crescem mais saudáveis, preservam-se suas características originais como aroma, cor e sabor. Consumindo produtos orgânicos é possível apreciar o sabor natural dos alimentos.

2. Saúde Garantida
Vários pesticidas utilizados hoje em dia no Brasil estão proibidos em muitos países, em razão de consequências provocadas à saúde, tais como o câncer, as alergias e a asma. Um relatório da Academia Americana de Ciências, de 1982, calculou em 1.400.000 o número de novos casos de câncer provocados por agrotóxicos. Além disso, os alimentos de origem animal estão contaminados pela ação dos perigosos coquetéis de antibióticos, hormônios e outros medicamentos que são aplicados na pecuária convencional, quer o animal esteja doente ou não. Consumindo orgânicos protegemos nossa saúde e a saúde de nossos familiares com a garantia adicional de não estarmos consumindo alimentos geneticamente modificados.

3. Proteção às Futuras Gerações
As crianças são os alvos mais vulneráveis da agricultura com agrotóxicos. “Quando uma criança completa um ano de idade, já recebeu a dose máxima aceitável para uma vida inteira, de agrotóxicos que provocam câncer”, diz um relatório recente do Environmental Working Group (Grupo de Trabalho Ambiental). A agricultura orgânica, além do mais, tem a grande tarefa de legar às futuras gerações um planeta reconstruído.

4. Amparo ao Pequeno Produtor
O trabalhador rural precisa ser preservado, tanto quanto a qualidade ecológica dos alimentos. Adquirindo produtos ecológicos, contribuimos com a redução da migração de famílias para as cidades, evitando o êxodo rural e ajudando a acabar com o envenenamento por agrotóxicos em cerca de 1 milhão de agricultores no mundo inteiro. Assim, as pequenas propriedades poderão manter-se sem dívidas pela compra de insumos químicos.

5. Solos Férteis
Uma das principais preocupações da Agricultura Orgânica é o solo. O mundo presencia a maior perda de solo fértil pela erosão em função do uso inadequado de práticas agrícolas convencionais. Com a Agricultura Orgânica é possível reverter essa situação.

6. Água Pura
Quando são utilizados agrotóxicos e grande quantidade de nitrogênio, ocorre a contaminação nas fontes de água potável. Cuidando desse recurso natural, garante-se o consumo de água pura para o futuro.

7. Biodiversidade
A perda das espécies é um dos principais problemas ambientais. A Agricultura Orgânica preserva sementes por muitos anos e impede o desaparecimento de numerosas espécies, incentivando as culturas mistas e fortalecendo o ecossistema. A Fauna permanece em equilíbrio e todos os seres convivem em harmonia, graças à não utilização de agrotóxicos. A Agricultura Orgânica respeita o equilíbrio da natureza e cria ecossistemas saudáveis.

8. Redução do Aquecimento Global e Economia de Energia
O solo tratado com substâncias químicas libera uma quantidade enorme de gás carbônico, gás metano e óxido nitroso. A agricultura e administração florestal sustentáveis podem eliminar 25% do aquecimento global. Atualmente, mais energia é consumida para produzir fertilizantes artificiais do que para plantar e colher todas as safras.

9. Custo Social e Ambiental
O alimento orgânico não é, na realidade, mais caro que o alimento convencional se consideramos que, indiretamente, estaremos reduzindo nossas despesas com médicos e medicamentos e os custos com a recuperação ambiental.

10. Cidadania e Responsabilidade Social
Consumindo orgânicos, estamos exercitando nosso papel social, contribuindo com a conservação e preservação do meio ambiente e apoiando causas sociais relacionadas com a proteção do trabalhador e com a eliminação da mão-de-obra infantil.

Fonte: Instituto Biodinâmico - Alimentos Nardelli, Planeta Orgânico e Organicfood

sábado, 3 de julho de 2010

Isto é muito engraçado !!!!!!!!!!

Hoje quantos de nós brasileiros serão alemães desde pequinininho ????????





CQC Oscar Filho zuando argentinos com controle Universal - 14/06/2010


KKKKKKKKKKKKKKKKKK.............

É para rir ?!?!?

Seria muito engraçado, se não fosse trágico .... quando pensamos nos salários deles .... que nós os elegemos .... e o poder de direcionar nossas vidas que está nas mãos deles .....

Agora vamos nos concentrar e pensar bem nas próximas eleições ....




CQC - Mônica Iozzi em Brasília - 14/06/2010

sexta-feira, 2 de julho de 2010

E a Vida Continua ....

Só para lembrar ....




Em tempos de Copa do Mundo, o Brasil para literalmente.... Hoje, todos já levantam pensando e organizando o seu dia em função do jogo.

Ontem ví no Jornal da Record, que até a maior agência de empregos de São Paulo está completamente vazia de candidatos a vagas, sendo que estão oferecendo 6.000 para pessoas sem experiência... E a conclusão foi que "em tempos de Copa", deixaram para procurar emprego depois que o campeonato acabar .... Ou seja, para muitos, a vida pausa ....

Não é errado, é gostoso torcer e vibrar ... mas não podemos esquecer, que para "outros" a vida continua e talvez coisas muito importantes estejam sendo feitas, decididas e concluídas justamente neste momento em que há tanta distração.

Este é um ano de eleição. Eleição não deve ser apenas um dever cívico e, sim atitude consciente que cada voto determina a direção que o país andará. E que isto afeta a vida de cada um, de uma maneira ou outra.

Não sei se o Brasil vai ganhar o jogo de hoje (vou torcer e vibrar muito para que ganhe), não sei se o Brasil vai ganhar a Copa (Hexa !!!!), mas sei que daqui a pouco o Brasil terá eleições. Isto é uma certeza.

Boa Sorte Brasil !!!!!!


"O Analfabeto Político
O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, que o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais.
Bertolt Brecht
"

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Mais Festa Julhina


ALUÁ (versão NÃO alccólico)

Ingredientes

Cascas de 1 abacaxi
2 litros de água filtrada
3 cravos da índia
3 cm de gengibre fresco em fatias
1 colher (chá) sementes de erva-doce

Modo de Preparo

Ferver tudo por 20 minutos. Desligar e tampar. Deixar esfriar e coar. Levar para gelar e servir.


Esta próxima receita é de uma ex-vizinha. Morei ao lado dela por 5 anos. Mudei deste local há 10 anos, mas ainda continuamos amigas. Ela é uma senhora, que adora mimar a todos... E continuo sua fã na cozinha. Vez ou outra irá aparecer alguma receita dela por aqui. São todas ótimas e testadíssimas !!!!! E na maioria das vezes muito fáceis.

Esta BROINHA DE MILHO é a melhor receita deste tipo de broa. É aquela que fica mais sequinha, como uma bolacha gordinha, vende em padaria. Só que muito melhor... Experimente levar em alguma festa ou faça para tomar com café.

O cheiro da broa com café .... ótimo para bater-papo na cozinha ...

BROINHA DE FUBÁ ( Nair)

Ingredientes

1 3/4 xícara (chá) farinha de trigo
1 3/4 xícara (chá) fubá
1 xícara (chá) açúcar
1 colher (sopa) fermento em pó
1 1/2 ovo
120gr manteiga sem sal
1 colher (chá) sementes de erva doce

Modo de Preparo

Em uma vasilha, Coloque todos os ingredientes e misture manualmente até obter massa homogênea e consistente. Sem manipular demais. Faça rolos fininhos com a massa. Corte com faca como se fosse inhoque (rodelinhas de 1,5cm). Faça bolinhas com a mão (como brigadeiros pequenos). Coloque em tabuleiro (fôrma retangular), sem untar, separadas (crescem). Dê uma apertadinha (achatadinha) em cada bolinha, para ao assarem ficarem no formato de broa. Forno pré-aquecido, quente. Até ficarem sequinhas sem dourar, por volta de 15 minutos. O fundo delas pode ficar douradinho, mas em cima devem ficar amarelas e secas, sem dourar.

DICAS: Dê preferência pelo fubá mais grosso ou orgânico. O sabor do milho e consistência da broa ficará melhor. E para conseguir medir o 1/2 ovo, bata-o com o garfo e use a metade desta mistura. Em massas é muito importante seguir as medidas corretas para manter as carcterísticas e mesma qualidade.

Esta é um receita bem tradicional, caipira autêntica.

Delícia !!!!!